14 de agosto de 2008

Queremos voltar para o Egito, onde havia cebolas

Paulo Brabo

Nossas crenças são âncoras de legitimação, que nos mantém seguros no lugar mas nos impedem de seguir adiante – o que, convenhamos, é muito conveniente. Quem iria em sã consciência escolher abandonar o abraço confirmatório da crença comum e dar um passo em direção à vertigem da fé, ao desafio de tornar-se um indivíduo separado, distinto e singular (numa palavra, santo) diante de Deus? Queremos voltar para o Egito, onde havia cebolas; não suportamos o desafio constante, sempre iminente, sempre exigente, do deserto.

Extraido daqui: http://www.baciadasalmas.com/2007/minha-fe-nao-e-aquilo-em-que-acredito/
Imagem no contexto original: brincadeirasalaiadefuga.blogspot.com/2007/03/...

8 comentários:

Anchieta Campos disse...

A incerteza é algo que realmente incomoda, e muito.

Aquilo que foge ao nosso controle é ruim pois nos mostra o quanto somos incapazes e pequenos.

Mas ainda bem que existiram pessoas com coragem e ousadia suficientes para sair da comodidade do Egito e avançar em direção a Canaã da liberdade e do conhecimento e da luz.

Precisamos nos inspirar em pessoas como Abraão, Moisés, João Batista, JESUS, Paulo, Wycliff, Huss, Lutero, e tantos outros que compreenderam que a comodidade no erro não é acerto.

Abraços fraternos irmão Paulo Silvano. Deus o abençoe sempre!

Anchieta Campos

Erick disse...

...nos momentos mais esgostantes e difíceis
é que pude sentí-Lo,
quando não havia mais ânimo,
recebi Seu amparo

nos momentos mais obscuros e terríveis
é que pude ouví-Lo,
quando não havia mais nada,
fui iluminado...

Suportamos quando Ele nos completa.

Grande abraço Paulo!
Só o melhor , sempre sempre!

Erick disse...

Meu irmão de sangue escreveu:

Para resumir bem curtinho: ele não crê.

Ele começa relativisando o significado da fé, cria uma falsa dicotomia e continua: tudo gira em volta do seu próprio umbigo: Eu, eu, eu e mais eu.
Ele crê no próprio eu.
Veladamente ele diz que não existe verdade, se aquilo que cremos é
algo tão abstrato que não podemos confessar.

No entanto não passa de um hipócrita porque se não há verdade também
não há Deus.

Revelação divina ( biblia) = verdade + poder supremo + conhecimento
supremo + amor. Revelação divina implica estes atributos de Deus. Se não ha revelação divina, um dos quatro elementos da equação vai ter
que ser retirado para que o sistema funcione. Se Deus possui os quatro últimos elementos de equação, então revelação divina precisa
necessariamente existir. Os cinco elementos da implicação lógica precisam estar presentes, não se pode tirar um sem ter que tirar 2 no
fim das contas. O autor do texto tirou revelação divina. Ms ele não o poderia ter feito se não negasse um dos quatro atributos Divinos que
qualquer bobo vai dizer que Deus possui. Ele só não disse qual.
Pense nisso.

Paulo Silvano disse...

Amados irmãos, Anchieta e Erick,

Agradeço-os por frequentarem o meu blog e apreciarem as reflexões aqui postadas, bem como fico grato por investirem tempo fazendo valiosos comentários.
Creio que o difícil exercício de uma espiritualidade descontaminada - tanto da relativização como da banalização de Deus - passa pela compreensão de que Ele não está sujeito às provas e devassas das nossas ciências. Viver na dependência Deus não é apenas fruto do convencimento arrazoado; é sobretudo uma questão de fé e, portanto, a Bíblia, nossa regra de fé, não pode ser rigorosamente examinada da mesma forma que se faz de ciência e até mesmo teologia. Não podemos pecar tentando irredutivelmente enquadrar o Deus que "trabalha até hoje" nos nossos moldes teológicos e filosóficos, pois se assim conseguirmos fazer Ele deixa de ser Deus e nós presunçosamente passamos a condição de divinos, negando a humanidade com a qual Deus nos criou. Melhor conselho nos dá o Profeta Oséias: “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. ... Pois misericórdia quero, e não sacrifícios; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos.”

Juber Donizete Gonçalves disse...

Pr. Paulo Silvano,

Texto lindo esse do Brabo. Fica a lição de não ceder à tentação de voltar ao Egito, face os desafios do deserto.

Abraço,

Juber

Eduardo Neves disse...

Graça e Paz;

Solicito orações a irmã em Cristo Ana da Luz; ela se encontra enferma em um leito hospitalar.

Att.
Eduardo Neves

Catarina Ferreira disse...

olha,
um texto tão pequenino, mas q diz tanto, acho q por isso q rendeu os longos comentários aí em cima!

Anônimo disse...

Jesus quer te salvar meu querido, não esquece que às vezes procuramos desculpas para nossos pecados e tentamos nos esconder atrás de afirmações que saem da mente perversa do homem, mas Deus te ama e tudo que você sabe não é nada sem Jesus na sua vida! Um abraço.